Jornal I

“Este argumento não convence o psicólogo Nuno Sousa. Para ele, estas situações colocam as pessoas numa “posição submissa em relação ao destino”, como se fosse uma fatalidade.”

 

[google-drive-embed url=”https://drive.google.com/file/d/0B0n3NWc_BBGvV0JDM1NQbmNLVVk/preview?usp=drivesdk” title=”iOnline_29Dez14.pdf” icon=”https://drive-thirdparty.googleusercontent.com/16/type/application/pdf” width=”100%” height=”400″ style=”embed”]