Jornal I

“Este argumento não convence o psicólogo Nuno Sousa. Para ele, estas situações colocam as pessoas numa “posição submissa em relação ao destino”, como se fosse uma fatalidade.”